Monday, September 20, 2010

Esfinge

Não consigo decifrar.

Nunca consegui e muito pouco mudou com o tempo que brinca de nos separar e unir. Nada mudou e eu sou incapaz de perceber quando intimidade é demasiada.

Sobra liberdade, faltam limites, controle.

Não deve estar certo.

Valores, convenções, pudores, a falta destes. Não saber até onde se pode ir sem se perder... Poder ir além... Não notar.

Sempre foi fácil demais.

Se me olha e me perco não faz diferença se beija, penso, “beijo depois”. Posso tocar como quiser, mas não beijar... Passa a fazer diferença, lembro da antiga proposta silenciosa, tão dolorida. Impossível não remoer, fosse eu outra pessoa nunca mais me veria.

Complacência demais.

Tem que estar errado.

Sobra provocação e o encanto - já tão sofrido - se quebra mais um pouco.

Eu não decifro... Você me devora, ou pelo menos a parte mais entregue de mim, que não para de se perder.

6 comments:

  1. Será que eu entendi loira? ou não? O.o"

    ReplyDelete
  2. Não sei, Amanda.. Será?
    =p


    Renatinha =**

    ReplyDelete
  3. engraçado como as histórias da vida guardam similitudes...as metáforas...em algum lugar tudo se encaixa: suas prosas com a vida..suas poesias com o mundo.
    :)

    ReplyDelete