Wednesday, April 14, 2010

Don’t hate the player



Quantas vezes você já ouviu alguém maldizer a ‘malandragem de um jogador’? E quantas vezes, você mesmo, disse que ‘aquele conquistador não tem sentimento’? 

Parece tão fácil, para todo mundo achar... E eu nunca entendi por que uma pessoa que se doa tanto é considerada fria, sim, o tipo ao qual me refiro dá muito de si. Entrega o corpo e dedica sua atenção e parte do seu tempo, satisfazendo as expectativas que giram em torno da concepção que outros fazem dele próprio. Pensam que ele usa, mas é tão usado quanto, mais vezes e por mais pessoas. 

Já percebeu como são figuras desejadas? Todo mundo quer tirar uma lasquinha. Porque ele tá lá, é bonito, agradável, interessante... e pode ser fácil se você o divertir um pouco, ou no mínimo lhe dará um não educado e cheio de charme. 

Não sei... Eu sempre achei o contrário e talvez esta seja a origem de alguns problemas na minha vida sentimental. Sempre achei o cafajeste o mais frágil da festa, o mais misterioso, o mais cheio de sentimentos e sim, o mais interessante. 

Com a mesma facilidade que todo mundo vê um cachorro, eu vejo alguém meio parecido comigo. Um tanto perdido, machucado pela vida e pelas pessoas, sem querer se mostrar muito e ao mesmo tempo mostrando o que é conveniente, controlando o jogo, jogando, ganhando (?). Toda conquista tem um sabor meio agridoce no fim. 

Eu acredito que grandes amores perdidos, grandes decepções resultam em conquistadores incuráveis; pessoas de personalidade muito forte postas em situações de completa fragilidade. É como tirar um leão da selva, onde caminhava 20 km em um dia, e colocá-lo em uma jaula de 2m. Se antes andava a passos lentos e constantes, agora vai correr em círculos até cair exaurido e sem êxito. 

Uma carga imensa de emoção, frustração, orgulho e medo. Eles não bebem na fonte da vida, são ávidos e mergulham, se afogam. 

É tão óbvio que quem tem muitos aos seus pés (porque assim deseja) e se divide em atenção a todos é a figura mais carente do jogo. Uma procura incessante, e inconsciente, de braços em braços, dia após dia. Não deseja se envolver porque acredita que se basta, quando em verdade, é quem mais precisa de alguém ao seu lado num dia de resfriado. 

Eu tenho medo, porque para mim é muito claro. 

Eu sempre me identifico com o personagem controverso do filme - nunca gostei das mocinhas pudicas - sou prática, sou expansiva, sou condescendente com posturas que outros condenam (já fui traída e perdoei, já fui a outra, mas nunca traí), sou romântica, gosto de conquistar, gosto de ser desejada... Sou muito sensível e já fui muito machucada. Pareço uma rocha que não quebra por mais que batam - e batem bastante – e está sempre lá, no mesmo lugar, da mesma forma que antes, com o mesmo jeito doce pronta para a próxima (?). 

Até quando? 

Tenho medo de esquecer que nada me abala. 




PS.: I’m not a player. Uma conquistadora não escreveria esse texto, ou escreveria?

9 comments:

  1. I'm proud of you. The way you write and express yourself. It touchs me somehow.

    ReplyDelete
  2. Conquistadoooora sim! Destruidora de lareeees! Poderosérrima :x

    Brinqs, meu amor. Mesmo não tendo a mesma visão que você tem em alguns aspectos eu entendo você :) Fazer o quê com esse povo que acha mais fácil discriminar os conquistadores ao invés de entender a profundidade dos mesmos?

    Beijo no seu coraçãozinho mole :*

    ReplyDelete
  3. O conquistador às vezes é o mais "perdido", se comparado aos outros. É a mesma coisa de pessoas muito efusivas, que extravazam muita coisa pelo simples fato de serem carentes de tantas outras.
    Esse é um aspecto delicado de se discutir, porque há jogadores e jogadores dentro desse jogo. E pode ser difícil para algumas pessoas identificá-los.
    I totally hate the game.

    ReplyDelete
  4. Preciso conhecer você.

    Dann Dourado

    ReplyDelete
  5. Ah, vi seu comentário agora no meu.. obrigada! rs :) Beijos!

    ReplyDelete
  6. abandonou aqui? :/

    ReplyDelete
  7. "É tão óbvio que quem tem muitos aos seus pés (porque assim deseja) e se divide em atenção a todos é a figura mais carente do jogo."

    Talvez se vc não os colocassem precocemente nessa condição de subjulgo vc encontraria alguém que te equiparasse e te surpreendesse positivamente.

    Abraços.

    ReplyDelete
  8. So pra corrigir um erro de gramática vo postar denovo.

    ReplyDelete
  9. "É tão óbvio que quem tem muitos aos seus pés (porque assim deseja) e se divide em atenção a todos é a figura mais carente do jogo."

    Talvez se vc não os colocassem precocemente nessa condição de subjugo vc encontraria alguém que te equiparasse e te surpreendesse positivamente.

    Abraços.

    ReplyDelete