Tuesday, May 12, 2009

Drama materno


Todos os dias eu vou para a academia por volta das 21h20, em alguns desses dias minha mãe chega em casa depois da minha saída.

Ontem enquanto revirava minhas roupas e odiava cada uma delas acabei deixando três blusas em cima da mesa do quarto dela... Arrumei meu quarto, o banheiro. Deixei tudo impecável e fui malhar feliz.

Ao chegar em casa minha mãe abre a porta com ar aflito e suspira aliviada.

Eu: Oi, mãe.

Mãe: Minha filha, que preocupação!

Eu: O que foi, Mãe?

Mãe: Eu achei que você tinha fugido de casa.

Eu: haaaaaaaaaaaaaaan? Como assim, mãe?

Mãe: Eu esqueci que você tinha academia, cheguei em casa e não vi ninguém. Tudo arrumado (como não é de costume) e umas blusas em cima da mesa...

Eu: Pois é. Eu tava escolhendo uma para usar hoje.

Mãe: Eu achei que fossem as que você não queria e tinha deixado lá jogadas.

Eu: Mãããããããããããããããe.

(pausa)

Eu: Mãe, eu não tenho motivo pra fugir de casa, nem idade.

Mãe: Achei que você tava nervosa com o vestibular, pensando que podia não passar, ficou desesperada e...

Eu: (interrompendo a sucessão de pensamentos fantasiosos) Mãããããe, menos... Bem menos.

Mãe: Eu liguei pra você, você não atendia...

Eu: Mããe, meu celular ta dentro da gaveta.

Mãe: (pensativa) não ouvi ele tocar.

Eu: Mãe, se eu tinha levado todas as minhas roupas e deixado as blusas que não queria, você não pensou em abrir meu guarda roupa e ver que tava tudo lá?

Mãe: Claro que pensei, filha, por isso achei que você tinha fugido as pressas. Até liguei pro seu pai.

Eu: Ligue de novo e diga que eu to aqui, então.

Mãe: Não precisa, eu não deixei ele atender. Era uma situação difícil pra mim né? Eu ia dizer o que pra ele? Que tinha lhe perdido?

Eu: (Relembrando velhos fantasmas e assumindo que eles não assustam mais, afirmei com a segurança que ela merecia) Mãe, não tenho motivo pra querer fugir.